Escrito em por . Atualizado em 07/08/2017 12:04h.

IMG_0761-600x455Segundo o ACNUR, a agência da ONU para refugiados, nos últimos anos, cerca de 65 milhões de pessoas foram forçadas a sair de suas casas. Dentre eles, aproximadamente 21 milhões são refugiados. A realidade desses números levou os cristãos de todo o mundo a refletir sobre a resposta bíblica mais adequada à maior crise humanitária desde a Segunda Guerra Mundial.

Alguns cristãos afirmam que Jesus foi um refugiado (Mateus 2) e que a Bíblia nos ensina a amar e acolher o estrangeiro (Levítico 19:33-34). Portanto, devemos defender políticas favoráveis à recepção de refugiados. Outros, por sua vez, salientam que a Bíblia é clara em Romanos 13: 1-7 sobre o papel do Estado no fornecimento de segurança aos seus cidadãos. Eles, portanto, defendem o fechamento das fronteiras como um meio para evitar os riscos que podem surgir como resultado da ingestão de refugiados, como o terrorismo ou o aumento dos crimes sexuais.

Diante disso, a questão central que dividiu os cristãos em relação aos refugiados é o aparente conflito entre segurança e compaixão. Esta preocupação não é apenas compreensível, mas também totalmente legítima à luz das Escrituras, uma vez que a melhor maneira de expressar amor aos outros, como a Bíblia nos ensina, é garantir sua segurança. Mas para obter uma resposta verdadeiramente bíblica a esta situação, é necessário ir além das aparentes contradições e da necessidade de escolher um lado neste debate.

Há uma distinção entre as funções da Igreja e do Estado. Quando cada um cumpre seus respectivos papéis respectivos, eles não se contradizem. É para os cristãos cumprirem o mandamento de Levítico 19 para amar e acolher os refugiados. Da mesma forma, cabe ao estado cumprir Romanos 13 e prover segurança aos seus cidadãos. Estes são objetivos que não são mutuamente exclusivos e não só podem, mas devem coexistir lado a lado.

Isso significa que, para ajudar os refugiados, os cristãos não precisam necessariamente do Estado. Como o Pastor John Piper observa, mesmo que o Estado adote medidas restritivas para os refugiados, é dever dos cristãos ir ao encontro dos refugiados, onde quer que estes estejam. Estima-se que dos mais de 65 milhões de refugiados no mundo hoje, apenas 107 mil foram reassentados em um país terceiro. Assim, mesmo que os governos ocidentais adotem medidas de segurança que impedem a entrada de refugiados em seus países, ainda haverá literalmente milhões de refugiados espalhados por países pobres da África e do Oriente Médio. Somente no Egito, na Turquia, na Jordânia, no Iraque e no Líbano, cerca de 4,8 milhões de refugiados sírios precisam de ajuda.

Estas são pessoas que foram criadas à imagem e semelhança de Deus e precisam do nosso amor e compaixão. Para alcançá-los, não precisamos comprometer a segurança nacional de nossos países. Mas, ao chegarem aos refugiados diretamente onde estão, podemos colocar nossa segurança pessoal e até mesmo nossas próprias vidas em risco. Naturalmente, os campos de refugiados perto das zonas de guerra geralmente não são os lugares mais acolhedores do mundo. No entanto, enquanto cristãos, esse é o nosso chamado. Jesus ensinou seus discípulos a não esperar segurança no cumprimento de sua missão, mas, no entanto, os convoca a ir, apesar dos riscos. Ele disse que seríamos como “ovelhas entre lobos” (Mateus 10:16). Embora estejamos cientes disso, no entanto, não podemos esperar que o Estado atue da mesma maneira que nós, uma vez que esse não é seu papel designado por Deus.

Por outro lado, devemos entender que o papel do Estado em Romanos 13 não é apenas proteger seus cidadãos, mas servir como um meio de graça para evitar a progressão do mal no mundo. É verdade que o texto original fala apenas de um contexto político interno. No entanto, acredito que, no cenário político atual, da “anarquia internacional”, sem uma instituição capaz de punir os malfeitores e recompensar os benevolentes, cabe aos Estados nacionais assumir, por meio de compromissos de direito internacional, o objetivo de proteger não só seus civis, mas também outros seres humanos que estão fora de suas fronteiras nacionais, afinal, essas pessoas, incluindo os refugiados, são vítimas de opressão e perseguição.

Reconhecer isso implica que os Estados serão responsáveis não só pela segurança dos seus nacionais, mas também pela proteção internacional dos refugiados e de outras pessoas deslocadas forçadas. Portanto, qualquer medida de segurança nacional tomada pelos Estados sobre imigração deve considerar ambos os grupos de pessoas. Vale ressaltar, no entanto, que esta é uma tarefa bastante complexa a ser realizada e que deve ser realizada pelas autoridades que Deus constituiu sobre as nações.

Frente a essas distinções, os cristãos devem buscar primeiro os meios à disposição para exercer compaixão pelos refugiados, mesmo que não estejam de acordo com as políticas de imigração de seus governos. Em minha opinião, a primeira atitude do cristão em relação a esta situação é orar: Ore para que Deus proteja os refugiados e faça com que eles conheçam Seu amor. Também é necessário orar para que Deus habilite os líderes políticos e os tomadores de decisão a agir de forma a garantir a segurança tanto dos nacionais como dos refugiados. Além disso, os cristãos podem se envolver com organizações de ajuda humanitária que ajudam os refugiados em todo o mundo através de doações. Eles também podem visitar os refugiados onde estão ou estar preparados para hospedar refugiados em seus próprios países, se seu país é como os EUA ou o Canadá que tem uma cota anual para receber refugiados, bem como comunidades que são comunidades de acolhimento particularmente receptivas e dispostas.

A nível político, os cristãos também podem tentar pensar nas melhores decisões que os Estados podem fazer na proteção dos refugiados, sempre conscientes do papel do Estado na Bíblia. Considerando a segurança tanto do ponto de vista dos refugiados quanto dos nacionais, alguns cristãos podem sugerir que o melhor caminho para o Estado cumprir seu mandato ordenado por Deus é adotando medidas mais rigorosas no processo de receber refugiados. Outros, por sua vez, podem defender não receber refugiados, mas criar refúgios seguros em áreas próximas a conflitos. A este respeito, os cristãos são livres de discordar das melhores formas de lidar com os refugiados, mas não devem esquecer que a segurança dos nacionais deve ser uma prioridade, bem como a segurança dos refugiados.

Finalmente, os cristãos precisam ser lembrados de que, neste mundo presente, não há soluções políticas perfeitas e somente o Evangelho pode trazer mudanças. Assim, em vez de olhar para os refugiados considerando apenas o papel do Estado em relação a eles, precisamos lembrar-nos de nossa obrigação como Igreja e reavaliar o que fazemos para atender a necessidade dessas populações especialmente vulneráveis, independentemente da nossa posição política e ideologia.

_________________________

Por: Igor Sabino – Secretário Executivo do ANAJURE Regugees l Publicado originalmente em philosproject.org
Tradução: Raíssa Silveira l ANAJURE