Escrito em por . Atualizado em 05/10/2018 08:36h.

Screen-Shot-2018-10-03-at-11.38.59-840x420

Uma das mulheres cristãs que foi capturada, traficada e usada como escrava sexual pelo Estado Islâmico disse ao The European Post que foi forçada a assistir a execuções públicas e à tortura de outras mulheres.

“Eles faziam coisas horríveis contra nós, nos batiam todos os dias, realizavam ataques sexuais e nos trocavam como itens. Eles nos tratavam como objetos sexuais ”, disse Rita Habeeb.

Quando ela foi transferida para a Síria, ela disse que conheceu muitas mulheres yazidis e que todas foram obrigadas a assistir a execuções públicas, tortura e decapitações de outras mulheres acusadas de espionagem.

Rita, da cidade iraquiana de Qaraqosh, perto de Mosul, tinha 26 anos quando o Estado Islâmico invadiu sua cidade e a levou cativa. Ela foi resgatada pelas Forças Democráticas Siríacas em 2017 e se reuniu com seu pai em abril deste ano, quase quatro anos depois de ter sido capturada.

Como relatado pela World Watch Monitor, os membros do Estado Islâmico compraram-na de seus donos para uso sexual e para serviços para si e para outros também. Além disso, forçaram as mulheres a usar pílulas anticoncepcionais, bem como a abortar quando engravidassem. Meninas de nove anos foram estupradas e vendidas por entre US $ 6.000 e US $ 15.000, disse ela.

________________

Tradução: World Watch Monitor