Escrito em por . Atualizado em 10/03/2017 16:03h.

Tony_with_his_father_(3)

[Youssef Lamei, à direita, com seu filho, Tony, em abril de 2015].

 

O assassino de um copta morto em janeiro “por vender álcool” foi condenado à morte neste mês de março. Adel Soliman, de 48 anos, confessou o assassinato de Youssef Lamei e disse que mataria todos que vendessem bebidas alcoólicas se pudesse, de acordo com o  jornal Egypt Independent.

Lamei foi morto enquanto estava sentado fora de sua loja no dia 3 de janeiro. As imagens de vídeo mostram Soliman aproximando-se calmamente por trás dele e cortando sua garganta duas vezes com uma faca. Soliman foi preso na manhã seguinte.

Os dois filhos de Lamei, Tony e Peter, estavam dentro da loja durante o ataque. Tony disse ao World Watch Monitor que Soliman tinha gritado “Allahu akbar” (Deus é grande) e “Oh, kafirs!” (Infiéis). Ele disse acreditar que seu pai tenha sido alvo “porque ele era um cristão”. Ele disse que muitas lojas em Alexandria vendem bebidas alcoólicas. “Há uma loja nas proximidades que vende álcool e é de propriedade de um homem muçulmano. Por que eles não mataram esse homem também?”.

No entanto, ele disse que seu pai havia sido ameaçado duas vezes por clérigos conservadores. Ele disse que antes do início do último mês de Ramadã, o mês em que os muçulmanos fazem jejum durante o dia, ordenaram ao Sr. Lamei que fechasse o mês inteiro. Seu pai concordou. “Eles então lhe pediram para não vender álcool durante as cinco orações muçulmanas diárias; Ele também obedeceu a eles, para evitar qualquer problema que eles pudessem causar “, disse ele.

“Meu pai era um homem muito amável e respeitado e todo mundo o amava; Ele não tinha inimigos”, acrescentou. Youssef disse que seu pai tinha uma licença do governo para vender álcool e que administrava a loja por quase 40 anos.


_________________________

Fonte: World Watch Monitor
Tradução: Andressa Toscano l ANAJURE