Escrito em por . Atualizado em 31/05/2017 19:21h.

parceria anajure e ulbra

[Da esquerda para a direita: Joanete Pilger – Coordenadora  de Processos Lato Sensu; Ana Maria Pujol V. dos Santos – Coordenadora de Processos Stricto Sensu; Prof. Pedro Antonio Gonzáles Hernandéz – Pró-Reitor Acadêmico; Prof. Ricardo Willy Rieth – Vice-Reitor da ULBRA, Dr. Uziel Santana, Presidente da ANAJURE, Marcos Fernando Ziemer, Reitor da ULBRA, Dr. Thiago Veira, Diretor de Assuntos Denominacionais da ANAJURE, Dr. Jean Regina, Diretor de Relações Institucionais da ANAJURE, Ms. José Paulinho Brand – Pró Reitor de Planejamento e Administração e Nadia Schnöder – Diretora de Pós-graduação e Pesquisa durante reunião na reitoria da ULBRA para firmar termo de cooperação]

Tal como a ANAJURE firmou com a Universidade Presbiteriana Mackenzie em 2014 e com a Universidade UniEVANGÉLICA a partir de 2015, na tarde da última segunda-feira (29), o presidente da ANAJURE, Dr. Uziel Santana, esteve reunido com o Reitor da Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Marcos Ziemer, com o Presidente da Associação Educacional Luterana do Brasil (AELBRA), Paulo Seifert, entre outras autoridades da universidade e da diretoria da ANAJURE, para formalizar o Convênio Acadêmico, Científico e Cultural – ANAJURE e ULBRA/AELBRA. A reunião aconteceu na Reitoria da ULBRA, em Canoas, no Rio Grande do Sul, com o principal objetivo de promover a cooperação entre as instituições através da realização de programas, cursos, seminários, projetos culturais, atividades e ações na área do Direito e da Teologia.

Entre os projetos iniciais previstos para execução em breve estão: parceria na realização do Colóquio sobre os 500 anos da Reforma Protestante e suas contribuições ao Estado Democrático de Direito e aos Direitos Humanos Fundamentais (mais informações aqui), a ocorrer em Wittenberg, na Alemanha, em outubro deste ano, onde a ULBRA também indicará especialistas na obra de Lutero para palestras no evento, a exemplo do Vice-Reitor, o Prof. Ricardo Willy Rieth; Parceria acadêmica para ensino, pesquisa, investigação e extensão na área de liberdade religiosa, migrações e refugiados; Projetos de ajuda humanitária e desenvolvimento através do ANAJURE Refugees & Served; e uma segunda edição do ACADEMIA ANAJURE (desta feita visando aos estudantes das regiões Sul e Sudeste do Brasil), que consiste em um treinamento direcionado a estudantes de graduação e recém-formados em Direito, cujo objetivo é auxiliar na formação de uma Cosmovisão Cristã aplicada às Ciências Jurídicas.

Em nome da ANAJURE, o Presidente do Conselho Diretivo Nacional, Dr, Uziel Santana, disse: “Esta é uma parceria histórica, neste que é o ano em que celebramos os 500 anos da reforma protestante. Na verdade, nossa caminhada com a ULBRA, sobretudo em defesa da liberdade religiosa e da instituições de ensino confessional, começou a algum tempo atrás, desde quando a entidade esteve conosco somando forças para que o Estatuto Jurídico da Liberdade Religiosa fosse encaminhado no Palácio do Planalto, na Câmara dos deputados e no Senado Federal em 2015. Agora formalizamos nossa parceria com alegria e confiantes nos bons frutos que ela trará, sempre na defesa dos valores que para nós cristãos são muito caros. Que o Senhor abençoe e faça prosperar essa parceria.”

O Reitor da ULBRA, Marcos Ziemer, agradeceu pela confiança da ANAJURE e afirmou: “estamos motivados nesta aliança principalmente porque a ANAJURE tem um trabalho acadêmico e um papel institucional em defesa das liberdades civis fundamentais bastante sério e reconhecido tanto no Brasil como a nível internacional”.

O diretor de relações institucionais da ANAJURE, Dr. Jean Regina, também ressaltou a importância da parceria: “Para mim, este dia é um marcante nesta época de celebração dos 500 anos da reforma, já que a ULBRA carrega no seu DNA a filosofia luterana de educação, deste homem que como reformador tinha a educação como uma de suas prioridades e sempre falava que ao lado de cada igreja deveria haver uma escola e que para cada recurso na guerra deveria haver 200 mais na educação. É uma parceria fantástica porque a ANAJURE vem trazer para a ULBRA a profundidade da cosmovisão cristã aplicada às ciências jurídicas, abrindo leques para várias linhas de pesquisa, não só no Rio Grande do Sul mas também outras unidades da universidade no Brasil, fazendo com que a ANAJURE possa contribuir na sua missão de apoiar igrejas e entidades educacionais confessionais e também com a formação de novas gerações de juristas alinhados com a visão cristã”.

 

OAB/RS recebe comitiva da ANAJURE para criação de Comissão de Liberdade Religiosa:

bb1b1352-1bbe-4647-9ffa-0d59d9c89aa5

[Da esquerda para a direita: Dr. Frederico Quadros, Dr. Thiago Vieira, Dr. Uziel Santana, Dr. Ricardo Breier, Dr. Jean Regina, Dr. João Diógenes, Dr. Caspani e Dr. Warton Hertz].

Ainda durante esta agenda no Rio Grande do Sul, o presidente da ANAJURE também esteve  na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (Conselho Seccional – Rio Grande do Sul), para protocolizar a proposta de criação da Comissão de Liberdade Religiosa no Estado, com apoio de juristas locais.

A proposta foi entregue diretamente ao Presidente da OAB/RS, Dr. Ricardo Breier, que ressaltou a importância da criação da Comissão e a promoção de seminários e eventos sobre a liberdade e as relações inter-religiosas oriundas do fenômeno religioso. 

O Dr Thiago Vieira, Diretor de Assuntos Denominacionais da ANAJURE, lembra que a liberdade de crença, de consciência e de culto são liberdades fundamentais para a República brasileira e assim estão gravadas na Constituição Federal. Ele destaca que a Ordem dos Advogados do Brasil historicamente sempre defendeu os mais excelsios valores republicanos e as liberdades públicas. Portanto, para ele, a criação da comissão especial de liberdade religiosa ressoa esses valores fundamentais republicanos no seio da ordem dos advogados Gaúcha. “A comissão de liberdade religiosa visa a promoção do estudo e do debate da relação inter-religiosas entre as mais diversas facetas da fé, expressa nas mais distintas e diferentes religiões. Estudar e debater o fenômeno religioso e suas manifestações resultará sempre num ambiente com mais liberdade para todos“, disse.