Escrito em por . Atualizado em 31/01/2018 15:32h.

Ffederal Court of Malaysia

[Palácio da Justiça em Putrajaya / Wikipedia]

O Tribunal Federal da Malásia, na última segunda-feira (29), anulou por unanimidade a conversão unilateral de três crianças para o Islã sem o consentimento de sua mãe, exigindo a autorização de ambos os pais para mudar a religião de um menor.

A decisão acaba com uma batalha legal de quase uma década em que um pai converteu os três filhos para o Islã sem a permissão da mãe das crianças, em março de 2009. Os dois filhos mais velhos permaneceram com a mãe, que ganhou a custódia dos três filhos no tribunal civil e foi notificada das conversões por via postal, enquanto o filho mais novo foi sequestrado pelo pai da casa da família quando tinha 11 meses e presumivelmente permanece sob sua custódia.

A legalidade das conversões foi levada ao tribunal civil sob o sistema de dupla corte da Malásia, que divide questões legais governadas sob a lei islâmica, conhecidas e escritas como lei da Síria na Malásia, e leis civis que se aplicam a todos os não-muçulmanos. Depois de perder o caso civil inicial, o pai apelou da decisão e ganhou, alegando que a jurisdição deveria ser reservada para os tribunais sírios nos assuntos. Normalmente, os tribunais civis no país adiarão os tribunais sírios quando surgirem disputas jurisdicionais.

Na decisão, o Tribunal Federal concluiu que a jurisdição residia adequadamente no tribunal civil, e que o artigo 12 (4) da Constituição Federal da Malásia, o qual afirma que “a religião de uma pessoa com idade inferior a dezoito anos será decidida pelo pai ou responsável”, requer o consentimento de ambos os pais. Após 14 meses de deliberação, o Tribunal Federal emitiu sua decisão em um julgamento de 99 páginas que ainda não foi disponibilizado publicamente. Resta saber qual o impacto que essa decisão terá sobre o sistema de dupla corte da Malásia.

__________________________________________

Tradução l ANAJURE
Fonte: Migalhas.com