Escrito em por . Atualizado em 02/02/2017 15:35h.

Donald Trump falou da necessidade de priorizar os refugiados de grupos religiosos perseguidos – especialmente cristãos – ao mesmo tempo em que suspendeu a imigração de sete países de maioria muçulmana. O World Watch Monitor resume a resposta dos líderes de opinião cristãos na América e em outros lugares.

Trump

A Christianity Today, em 31 de janeiro, publicou as opiniões de quatro proeminentes cristãos americanos, que estavam divididos sobre o assunto.

David Curry, presidente e CEO da Missão Portas Abertas dos EUA, disse que a sua organização, que apóia os cristãos sob pressão por sua fé em todo o mundo, não poderia apoiar “um processo que priorize uma religião sobre outra” e disse que isso poderia ter “efeitos negativos, não só na América, mas em todo o mundo – causando “reação” contra os cristãos nos países em que eles são mais vulneráveis.

Nina Shea, diretora do Centro de Liberdade Religiosa do Instituto Hudson, disse que a intenção de Trump de priorizar as reivindicações das minorias religiosas era “criticamente necessária” e deveria ser “uma boa notícia” para todos os defensores dos direitos humanos e da liberdade religiosa.

Ela disse que os cristãos estiveram na “linha de trás” por muito tempo e que a intenção do presidente não era “proibir” os muçulmanos, mas dar prioridade às minorias perseguidas. Ela acrescentou que os sete países estão excluídos dos EUA não porque são muçulmanos, mas porque fazem parte da lista elaborada pela administração Obama de “países de preocupação para prevenção de viagens terroristas”. No entanto, ela acrescentou que a “caracterização errônea de cristãos versus muçulmanos poderia alimentar propaganda terrorista”.

Matthew Soerens, diretor norte-americano de mobilização de igrejas pela World Relief, disse que “apreciava” o objetivo do presidente de ajudar os perseguidos, mas que estava “preocupado” que a linguagem da ordem executiva pudesse ser “prejudicial aos cristãos perseguidos que o Presidente está buscando ajudar”. Disse também que reduzir o número total de refugiados admitidos significaria que menos refugiados cristãos poderiam entrar. “Mesmo se todas as vagas fossem preenchidas por cristãos – o que, acredito, seria um grave erro – pelo menos 5 mil refugiados cristãos a menos seriam admitidos este ano”, disse ele.

Finalmente, Jeremy Courtney, co-fundador e diretor executivo da Preemptive Love Coalition no Iraque, disse que “o bem-estar dos meus vizinhos cristãos no Iraque e na Síria está ligado ao bem-estar dos meus vizinhos muçulmanos”. Em vez de criar um “refúgio seguro” para os cristãos nos Estados Unidos, ele disse que seria melhor prosseguir com “políticas e diplomacia que deem aos cristãos a maior chance de sobrevivência e florescimento onde estão – assim eles não terão que fugir de sua pátria”.

Estas são apenas as últimas quatro vozes a publicar suas opiniões sobre o debate. Segundo o World Watch Monitor, o patriarca caldeu Louis Raphael I Sako chamou a triagem rápida de refugiados cristãos de uma “armadilha”, enquanto o bispo da Igreja Copta Angaelos disse que poderia “arriscar violar os mesmos direitos [que a América] visa proteger”.

Enquanto isso, o jornalista Jayson Casper, no Cairo, conversou com um cristão sírio que disse que “não é mais apto” a tentar obter um visto permanente. “É muito humilhante ser colocado na categoria de terrorista em potencial”, o homem, chamado Hallisso, disse a Casper, como relatado em Christianity Today. “Só porque eu carrego um certo passaporte.”

O diretor de relações inter-religiosas da Visão Mundial, Chawkat Moucarry, disse a Casper: “Esta ordem executiva criou um clima muito hostil para as pessoas da região deles”.

Mas Adeeb Awad, editor-chefe do Sínodo Presbiteriano da Síria e da revista mensal do Líbano, disse que havia “lido a ordem executiva” e que era “razoável”, “não continha uma linguagem religiosa discriminatória”. “Foram as políticas antes de Trump que prejudicaram os cristãos do Oriente Médio e outras minorias mais do que qualquer outra coisa”, acrescentou. “Especialmente no Iraque e na Síria”.

No entanto, Moucarry advertiu que a política “encorajaria os cristãos a migrar, o que é exatamente o que os líderes cristãos na Síria estão lutando contra”. “É importante que os cristãos vivam em países muçulmanos”, acrescentou. “Porque através deles, os muçulmanos aprenderão a aceitar o outro. Devemos aprender esse princípio para ter uma sociedade democrática. Os extremistas dizem que há apenas uma maneira de pensar ou acreditar, assim manter os cristãos na área é uma maneira indireta de combater o extremismo e aprender que a diversidade é boa”.

Enquanto isso, os presidentes de três comitês dos bispos dos EUA divulgaram uma declaração conjunta, dizendo que se solidarizam com os afetados por esta ordem, “especialmente as nossas irmãs e irmãos muçulmanos” e que “a ordem tem gerado medo e ansiedade incontáveis entre os refugiados, imigrantes e em outros, em toda a comunidade de fé nos Estados Unidos”.

“Estamos expressando nossa resolução de que a preferência por ‘minorias religiosas’ deve ser aplicada para proteger não só os cristãos, mas todas as minorias religiosas que sofrem perseguição, que inclui Yazidis, muçulmanos xiitas em áreas majoritariamente sunitas, e vice-versa”, acrescentou a declaração do Bispo Mitchell T. Rozanski de Springfield, Massachusetts, o Arcebispo William E. Lori de Baltimore e o Bispo Oscar Cantu de Las Cruces, Novo Mexico, como noticiado pela catholicnews.com

“Enquanto nós também reconhecemos que o governo dos Estados Unidos tem o dever de proteger a segurança do seu povo, nós precisamos, no entanto, empregar os meios que respeitem tanto a liberdade religiosa para todos, como a urgência de proteger as vidas daqueles que desesperadamente fogem da violência e perseguição”.

______________________________
Fonte: World Watch Monitor
Tradução: Igor Sabino l ANAJURE