Escrito em por . Atualizado em 10/05/2017 11:03h.

Nigeria_2015_0380101154

                              [Pais identificam suas filhas raptadas em jornal nigeriano / Foto da Open Doors – setembro de 2015]

C_N3KVAXkAEFVQtApenas após algumas negociações, o governo nigeriano conseguiu libertar 82 das quase 300 meninas que haviam sido sequestradas pelo grupo grupo jihadista Boko Haram, no norte da Nigéria.

A espera para chegada das garotas aconteceu no domingo (7), na capital da nigeriana, Abuja, onde se encontravam muitas famílias. A lista completa com os nomes das meninas resgatadas não foi publicada até que elas houvessem chegado, por esse motivo, muitos parentes se reuniram em Abuja sem saber se suas filhas estavam entre as resgatadas.

“Após lentas negociações, nossas agências de segurança conseguiram trazer essas garotas de volta em troca de alguns membros presos do boko haram” disse Garba Shehu, assistente especial do presidente para mídia e publicidade.

Segundo o site de notícias Sahara, de Nova York, chefes militares da Nigéria afirmaram que “os dois comandantes islâmicos detidos foram levados de avião para a cidade do Banki, no estado de Borno, onde foram entregues a uma equipe de representantes do Boko Haram. A equipe Boko Haram, por sua vez, trouxe as 82 meninas Chibok para os arredores de Banki, onde um contingente pesado de tropas nigerianas tomou a custódia delas”. As negociações envolveram os militares nigerianos e o Comitê internacional da Cruz Vermelha, além do apoio da Suíça e de ONG’s internacionais.

Na noite de 14 de Abril em 2014, o grupo Boko Haram sequestrou meninas que estavam no Ensino Médio em uma escola de Chibok. Cálculos não conseguem chegar ao número exato de garotas que originalmente foram capturadas, e este ainda continua sem resposta. A maioria dos relatórios coloca o número de sequestros como 278; outros já disseram que ultrapassou os 300 e que dezenas delas conseguiram escapar nas primeiras horas ou dias após o sequestro.

____________________________________
Com informações do World Watch Monitor
Por: Redação l ANAJURE