Escrito em por . Atualizado em 19/09/2017 09:34h.

SaudiArabia_2011_0260008041-e1505732266361

[Mesquita Imam Turki Bin Abdullah Grand na capital saudita, Riyadh. (Foto: World Watch Monitor)]

Estudantes da Arábia Saudita recebem educação religiosa que contém ódio e provocações nas escolas. O ensino é contra outras tradições islâmicas, à parte do islamismo sunita, e tem uma severa crítica aos judeus, cristãos e pessoas de outras crenças, afirma um relatório da Human Rights Watch (HRW).

A compreensiva revisão dos livros escolares de estudos religiosos dos anos de 2016 e 2017, produzidos pelo Ministro da Educação, permitiu que fossem encontrados ensinamentos de intolerância e violência.

“Já no primeiro grau, os alunos das escolas sauditas são ensinados a ter ódio de todos aqueles percebidos como sendo de uma fé ou escola de diferente pensamento”, disse Sarah Leah Whitson, diretora para o Oriente Médio na HRW. “As lições de ódio são reforçadas a cada ano que se passa.”

O relatório também descobriu que o currículo geralmente descreve judeus, cristãos e pessoas de outras religiões, como “incrédulos”. Em um livro de segundo grau, o currículo afirma que é dever dos muçulmanos não se comunicar com esses grupos.

Em outro capítulo, intitulado de “Fidelidade aos incrédulos”, estudantes muçulmanos são ensinados a “reservar a fidelidade a Deus, ao profeta e a outros crentes, e expressar hostilidade e antagonismo contra os infiéis. Ele adverte os muçulmanos que imitando “incrédulos” ou mesmo se juntando a eles em suas comemorações, se corre o risco de expressar lealdade a eles ou, pior, tornar- se um deles, diz o HRW.

O órgão de direitos humanos assinala que a Arábia Saudita enfrentou pressão para reformar seu currículo de religião escolar desde os ataques de 11 de setembro, depois de revelado que 15 dos 19 sequestradores eram cidadãos sauditas. Autoridades sauditas disseram repetidamente que irão realizar essas reformas, embora revisões passadas do currículo nos últimos dez anos tenham mostrado que essas promessas são vazias.

_________________________
Fonte: World Watch Monitor
Por: Redação l ANAJURE