Escrito em por . Atualizado em 20/02/2018 11:15h.

Uma lista elaborada anualmente pela organização cristã internacional Portas Abertas elenca os 50 países onde os cristãos são mais perseguidos. Para a elaboração da lista, foram levados em consideração fatores como: individualidade, nas restrições imposta à pessoa impedindo que ela expresse sua fé em público, assim como portar a Bíblia e outros livros cristãos; família, acerca da rejeição e as consequências sofridas quando um membro da família converte-se ao cristianismo; comunidade, sobre a discriminação que os cristãos sofrem por sua fé em Jesus Cristo no seu contexto social; nação, quando as leis do país não garantem a liberdade religiosa e a prática da evangelização é considerada um crime; e, por fim, igreja, que é o impedimento da fundação de igrejas e realização de atividades religiosas; sendo submetidas ao confisco e vigilância das autoridades.

portas-abertas-lista-mundial-da-perseguicao-2018-bx

Os níveis de perseguição são classificados em: extrema, severa, alta, muito alta e variada. A Portas Abertas também analisa a intensidade da situação e a frequência com que ocorrem as perseguições. Os cinco primeiros países a ocuparem a Lista Mundial da Perseguição são: Coreia do Norte, Afeganistão, Somália, Sudão e Paquistão. Entre os diversos fatores políticos e sociais, a opressão por parte de outras religiões e regimes é o fator que mais influencia a constante perseguição ao cristão em tais países.

Abaixo, um breve panorâma dos 5 países onde é mais difícil viver como cristão:

 

Na Coreia do Norte, o regime comunista comandado pelo ditador Kim Jong-un obriga os cidadãos a adorarem somente a família Kim. Ocupando o 1° lugar na Lista da Perseguição Mundial pela 16° vez, o país é considerado o mais fechado do mundo, e em 2017 aumentou dois pontos na classificação devido à extrema violência sofrida pela população cristã em várias esferas. Com a Guerra da Coreia (1950-1953), que ocasionou a divisão da Coreia em dois Países – Coreia do Norte e Coreia do Sul, o ditador Kim Il-sung impôs um regime comunista no país, ocasionando a saída de milhares de cristãos. Dez anos após a guerra, a igreja, que antes contava com cerca de 500 mil cristãos, era praticamente invisível, e a mínima parte restante se tornou secreta, até os dias de hoje.

Tendo como principal causa da perseguição a opressão islâmica, em 2017, o Afeganistão, que ocupa o 2° lugar na Lista Mundial da Perseguição, obteve crescimento em sua pontuação de pressão e perseguição religiosa, se aproximando ao primeiro lugar, ocupado pela Coreia do Norte. Hoje, oficialmente o país não possui cristãos e obtém uma grande massa muçulmana.  A existência de pequenos grupos seguidores do cristianismo é ocultada ao máximo para impedir que militantes do islamismo realizem ataques, como se pode observar ao longo dos anos em trágicos sequestros e assassinatos de estrangeiros ou muçulmanos convertidos ao cristianismo no país.

A maioria da população da Somália, que ocupa o 3° lugar na Lista, é muçulmana. O número de cristãos tem diminuído constantemente. A hostilidade ao cristianismo e os constantes ataques são fatores que contribuem para a instabilidade da religião no país. Grupos extremistas fazem constantes declarações públicas apoiando a imediata extinção de cristãos na Somália, o que faz com que a comunidade cristã secreta permaneça e se torne ainda mais acanhada diante das ameaças de violência. 

Ocupando o 4º lugar no ranking, o Sudão sofre as consequências de conflitos étnicos e culturais entre árabes versus etnias africanas e muçulmanos versus cristãos. Com uma base islâmica, o governo tem por objetivo implementar uma única religião, cultura e idioma, e , por isso,  as leis desse país restringem a liberdade de expressão dos cidadãos e consequentemente a liberdade religiosa, resultando em prisões, assédios, expulsão e dificuldades para a fundação e estabelecimento de igrejas.

Ocupando o 5° lugar na Lista Mundial da Perseguição, o Paquistão possui um remoto número de cristãos em sua população. A luta do exército contra rebeldes que aderem ao Estado Islâmico tem gerado destruição massiva no país, que é o sexto mais populoso do mundo. Os paquistaneses muçulmanos que se convertem ao cristianismo têm a fé em Jesus ocultada até mesmo na esfera familiar, e quando descoberta, eles podem chegar a prisão domiciliar imposta pela própria família. O país possui a maior pontuação de violência na Lista, e infelizmente, cristãos continuam sendo executados devido a acusações de blasfêmia. 

________________________________

Por: Redação l ANAJURE
Com informações da Portas Abertas Brasil