Escrito em por . Atualizado em 13/12/2018 16:29h.

A igreja copta de Saint Tadros, na vila de Menbal, foi atacada por uma multidão após as primeiras acusações em julho. (Foto: World Watch Monitor)

A igreja copta de Saint Tadros, na vila de Menbal, foi atacada por uma multidão após as primeiras acusações em julho. (Foto: World Watch Monitor)

 

Um tribunal egípcio condenou um cristão copta a três anos de prisão depois que ele foi considerado culpado por “insultar o Islã em primeira instância”.

Abdo Adel, 43, morador de Menbal, uma aldeia na província de Mynia, no Egito, 200 km ao sul do Cairo, foi acusado em julho de publicar um post em sua página no Facebook que insultou o Islã, como relatado ao World Watch Monitor.

Em seu post, Adel havia comparado o profeta do Islã, Maomé, com Jesus. Os aldeões muçulmanos apresentaram uma queixa à polícia na cidade vizinha de Matai e Adel foi preso em 6 de julho sob a acusação de insultar Maomé e desprezar o Islã. Ele foi detido e seu advogado disse ao World Watch Monitor na época que, se considerado culpado, ele poderia receber uma sentença de até cinco anos de prisão.

Após a sua detenção, uma multidão atacou casas de propriedade de coptas e a situação permaneceu tensa desde então, segundo a International Christian Concern, que sugere que o juiz pode ter proferido a sentença apelada por Adel, na esperança de restaurar calma na aldeia.

“Eu esperava que isso acontecesse em primeira instância. Mas o que eu espero agora é que ele seja libertado com recurso”, um parente próximo de Adel disse ao ICC.

Um advogado familiarizado com o caso disse: “Geralmente o juiz dá a penalidade máxima na primeira instância para assegurar que ele aplicou a lei, sabendo que o outro juiz da segunda instância irá reduzir a pena ou libertar o réu.” O recurso de Adel é esperado para ser ouvido no final deste mês.

Forças regionais de segurança tiveram que ser mobilizadas para restaurar a ordem, já que o ataque deixou a comunidade copta escondida em suas casas, temendo por suas vidas, como a World Watch Monitor relatou.

A maioria dos 90 muçulmanos presos após os tumultos – acusados de assédio moral, por atacarem casas coptas, incitando a desordem e atacando a polícia – foi libertada depois de uma “sessão de reconciliação comunitária” no final de julho.

Na época, um dos parentes de Adel disse ao World Watch Monitor: “Abdo é um homem simples. Ele trabalha fazendo o pão da igreja [para uso durante a missa]. Ele é um homem muito humilde e é amado por todos os membros da igreja. Ele não é bom em ler e escrever, e não tem habilidade para usar sua página no Facebook da melhor maneira, o que coloca ele e a aldeia nessa crise.”

Lares de coptas foram atacados por multidões de aldeões muçulmanos em outras partes de Minya nos últimos meses. Em agosto, as casas coptas foram atacadas depois que foi descoberto que os coptas estavam rezando em uma casa de propriedade de um deles, já que não há igreja na aldeia.

No mesmo mês, uma diocese copta na província de Luxor viu sua oitava igreja fechada enquanto buscava reconhecimento legal. A regra da multidão significou que muitas igrejas no processo de licenciamento oficial não puderam concluir o processo devido a preocupações de segurança.
___________________________

Tradução: World Watch Monitor