Escrito em por . Atualizado em 12/09/2017 10:09h.

china-school

[Crianças chinesas em uma escola dominical da igreja l (Foto: World Watch Monitor, 2004)]

Estimativas não oficiais dizem que há cerca de 100 milhões de cristãos na China, mais do que membros do Partido Comunista. Mas em muitas províncias, crianças foram proibidas de participar de acampamentos cristãos durante as férias de verão, enquanto que avisos foram emitidos em outras províncias proibindo todas as crianças da escola e seus professores de frequentar igrejas.

As crianças foram proibidas de participarem de acampamentos de verão em Zhejiang, Jiangsu e Henan, e também na região autônoma do norte da Mongólia Interior. As igrejas do Movimento Patriótico de Três-Auto, sancionadas pelo Estado *(TSPM, sigla em Inglês), nas províncias orientais vizinhas de Fujian, foram informadas que deveriam relatar qualquer atividade ocorrida em locais religiosos registrados, ou obter a permissão de realização de eventos em locais não registrados.

“É proibido forçar ou induzir jovens a acreditar em qualquer religião”, disseram igrejas da TSPM em Fuzhou. “E também é proibido realizar atividades religiosas em locais religiosos não registrados, sem aprovação”.

As instruções chegaram às igrejas de Henan através das mídias sociais e estavam marcadas com as insígnias do TSPM e do Conselho Cristão da China (CCC, sigla em Inglês). A mensagem dizia que a proibição das atividades juvenis era para “proteger a saúde e a segurança dos adolescentes durante as calorosas férias de verão”.

No entanto, o UCA News (veja aqui) informou que um aviso em Wenzhou, capital da província de Zhejiang, sugeriu um motivo diferente. “Menores que recebem educação e formação religiosa muito cedo nas igrejas afetariam seriamente a implementação normal do sistema educacional”, dizia o comunicado.

As igrejas na China já estavam proibidas de evangelizar crianças, mas quase todas as igrejas na China têm uma escola dominical, que, de acordo com uma fonte local, as autoridades geralmente desconsideram, a fim de evitar conflitos desnecessários com as igrejas.

“Atividades e eventos para adolescentes e jovens são um tema sensível”, disse uma fonte ao World Watch Monitor. “Um grupo de jovens que é atendido por um grande grupo de pessoas, ou que envolve grupos no exterior, pode contar com a atenção do governo. As igrejas locais que possuem esse tipo de eventos, portanto, mantêm um perfil muito baixo para evitar a intervenção”.

A fonte disse que este tipo de anúncio não era um sinal de repressão sistemática contra os cristãos na China, mas que era um aviso claro para as igrejas para minimizar suas atividades junto aos jovens e estudantes. Assim como disse o teólogo americano ao WWM, Richard Mouw, que viajou extensivamente na China, os cristãos na China não estão enfrentando uma maior perseguição tanto quanto a crescente pressão para se adequar às políticas de Pequim. Embora a polícia às vezes perturbe os serviços da igreja ou coloque pastores sob prisão domiciliar, a regulamentação dos grupos religiosos é mais influenciada por fatores políticos do que sentimentos anti-religião.

* O Comitê Nacional da TSPM na China e o Conselho Cristão da China (CCC) são conhecidos como “lianghui” (duas organizações) que formam a Igreja sancionada pelo Estado na China.

_________________________
Fonte: World Watch Monitor
Por: Redação l ANAJURE