Escrito em por . Atualizado em 27/09/2017 11:03h.

bd1f4846-2dc7-41fe-920c-fd8752916b35

 

Na manhã do dia 05 de setembro, o Coordenador Estadual da ANAJURE na Paraíba e do Grupo de Trabalho de Povos Minoritários, Dr. Edmilson Almeida, esteve reunido com o Coordenador da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil, Alisson Medeiros, para fechar a parceria institucional, cujo Termo de Cooperação Técnica foi formalizado ontem (26).

O principal objetivo desta parceria é promover programas, projetos culturais, atividades e ações, nas diversas áreas do conhecimento, através de pesquisa, ensino e extensão, por meio de cursos, visitas e pareceres técnicos, suporte logístico e demais atividades necessárias, a serem promovidos em prol da capacitação, conscientização, investigação e defesa dos direitos dos povos quilombolas brasileiros, especialmente no que se refere ao direito humano e fundamental de liberdade religiosa e crença.

de9c3044-d854-49d3-b59f-7cd053f473d8

[Alisson Medeiros, coordenador da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil, e Edmilson Almeida, coordenador do Grupo de Trabalho de Povos Minoritários, na Base da Missão JUVEP, em João Pessoa/PB].

Entre os projetos já em curso, está o apoio e a participação da ANAJURE no curso de Aperfeiçoamento Missionário Quilombola (13 a 19/11), que acontecerá no Centro de Preparo Missionário (CPM) da JUVEP em João Pessoa- PB, por meio da ministração do módulo “Identidade e legislação específica quilombola” pelo Dr. Edmilson Almeida

Em nome da ANAJURE, o Presidente do Conselho Diretivo Nacional, Dr. Uziel Santana, disse: “As comunidades quilombolas sofrem com altos índices de pobreza, mortalidade infantil, desnutrição, além dos problemas de terra e infraestrutura, mas, principalmente, é um dos segmentos menos evangelizados do Brasil. A ANAJURE está fazendo a sua parte, enquanto juristas, para que esta realidade seja mitigada. Portanto, a parceria com a Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil, composta de pesquisadores sérios e comprometidos, é conveniente, para a execução destes propósitos”.

O Coordenador do Grupo de Trabalho de Povos Minoritários, Dr. Edmilson Almeida, fez um prognóstico dos trabalhos a serem desenvolvidos: “O brasileiro comum conhece pouco ou nada sobre os povos quilombolas e nem eles próprios conhecem seus direitos e deveres. Nossas primeiras ações, junto com a coordenação da Aliança Evangélica Pró-Quilombolas do Brasil, serão no sentido de aclarar mais o estatuto jurídico destas comunidades na estrutura nacional; por este motivo, o Aperfeiçoamento Missionário Quilombola é um curso essencial para líderes religiosos que lidam nestas áreas. Num segundo momento, orientaremos jurídica e estrategicamente a AEPQB quanto às medidas a serem tomadas, para assegurar os direitos destas comunidades. Enxergamos um bom horizonte pela frente, mas com muito trabalho”.