Escrito em por . Atualizado em 10/05/2019 10:36h.

Após ter sido acusada falsamente por blasfêmia, a paquistanesa Aasiya Noreen, popularmente conhecida por Asia Bibi, finalmente se reuniu com sua família. Sua filha Eicham, que na época da sentença tinha 9 anos de idade, viu sua mãe ser agredida diante da multidão acusada de ‘‘blasfêmia’’ contra o profeta Maomé e, por mais de 9 anos visitou sua mãe no corredor da morte no Paquistão.

asia-BibiHoje, com 18 anos, a jovem Eicham e sua irmã mais velha conseguiram se reencontrar com sua mãe – e seu marido Ashiq Masih – para começarem uma nova vida no Canadá, onde Asia Bibi vive atualmente. Eicham disse que quer se tornar advogada para defender as pessoas falsamente acusadas, como a mãe dela.

Como já abordado pela ANAJURE[1], Asia Bibi recebeu a pena de morte em 2010, após supostamente ter feito comentários depreciativos sobre o profeta Maomé durante uma discussão com uma mulher muçulmana enquanto as duas trabalhavam juntas e a muçulmana havia se recusado a receber água de Noreen, alegando que aquilo era sujo porque tinha sido tratada por um cristão. Noreen foi persuadida a se converter ao islamismo, a fim de purificar-se da sua ‘‘impureza’’. Sua resposta negativa sobre o assunto foi percebida como um insulto ao Islã e, portanto, ela foi acusada de blasfêmia.

Muitos cristãos paquistaneses – que são cerca de 2% da população – são filhos de convertidos ao cristianismo de uma casta tribal oprimida, chamados de hindu “intocáveis”. Esse status de casta “intocável” está na raiz de várias acusações de blasfêmia contra os cristãos.

Manifestações foram realizadas em várias cidades do Paquistão após a absolvição de Asia Bibi das acusações de blasfêmia pela Suprema Corte em 31 de outubro de 2018. Na época, o filho do ex-governador, Salmaan Taseer, que foi morto em 2011 por tentar defender Asia Bibi, elogiou o veredito como “uma vitória para o Paquistão e para os milhões de paquistaneses marginalizados”.

Na quarta-feira (08/05), o ex-governador da região de Punjab, Shaan Taseer, compartilhou no Facebook uma mensagem de vídeo pessoal da filha de Asia Bibi, no qual ela diz na língua urdu: “Com o coração pesado, dizemos adeus ao Paquistão. Somos gratos a todos vocês que nos ajudaram. Nosso Mártir Salman Taseer, seu sangue é uma dívida sobre nós que nós vamos pagar a esta terra um dia. Obrigado, Shaan Taseer, por estar conosco nos momentos de necessidade. […] Seu amor permanecerá para sempre em nossos corações”.

Hoje, a irmã de Salmaan Taseer, que visitou Asia Bibi na prisão com o pai, o governador, disse à British Broadcasting Corporation (BBC News) que estava aliviada e satisfeita por Asia poder finalmente viver com sua família novamente.

Em reportagem[2], o presidente da Associação Nacional de Juristas Evangélicos (ANAJURE), Dr. Uziel Santana, afirmou que a soltura de Asia Bibi significou um marco importante na luta pela promoção e proteção do direito humano à liberdade religiosa. No entanto, o episódio também teve o potencial de atrair a atenção da comunidade internacional para a questão complexa das leis de blasfêmia no Paquistão. O fato tem causado a morte de milhares de cristãos e ocasionado um grande fluxo de migrantes forçados por perseguição religiosa para países asiáticos, como Tailândia, Sri Lanka e Nepal. Tais países, porém, não ratificam tratados internacionais de proteção aos refugiados.

A ANAJURE tem acompanhado o caso da Asia Bibi desde a sua prisão, realizando uma série de ações de advocacia em seu favor no âmbito internacional. Essa foi, inclusive, uma das pautas da reunião do IPPFoRB (Painel Internacional de Parlamentares para a Liberdade de Religião ou Crença), na sede da USCIRF (Comissão Internacional para Liberdade Religiosa dos EUA), em Washington, DC., em julho do ano passado. Na ocasião, o presidente da ANAJURE representou a América Latina sugerindo ações que poderiam ser tomadas para a proteção de Bibi, sobretudo após a sua libertação.

Fonte: World Watch Monitor

 


[1] ANAJURE. Tribunal do Paquistão confirma sentença de morte para Asia Bibi. Disponível em: <https://www.anajure.org.br/tribunal-do-paquistao-confirma-sentenca-de-morte-para-asia-bibi/>. Acesso em: 09 de Maio de 2019.

[2] ANAJURE. PAQUISTÃO – Suprema Corte mantém decisão favorável à soltura de Asia Bibi. Disponível em: <https://www.anajure.org.br/paquistao-suprema-corte-mantem-parecer-favoravel-a-soltura-de-asia-bibi/>.  Acesso em: 09 de Maio de 2019.